Você usa o Skype?

Loading...

Pesquisar este blog

Seguidores

Páginas

Total de visualizações de página

Postagens populares

domingo, 30 de março de 2008

Guz na INFORMANDO: Maria Clara, minina e linda

Guz na INFORMANDO: Lanna, minina-moça

Guz na INFORMANDO:Igor, biólogo

Guz na INFORMANDO: Igor

Guz na INFORMANDO: as Ciências Contábeis contabilizarão mais uma bela...

Guz na INFORMANDO: Ana

Guz na INFORMANDO : Fabiana

Você não me ensinou a te esquecer: Caetano



Você não me ensinou a te esquecer
Caetano Veloso

Composição: Fernando Mendes / José Wilson / Lucas

Não vejo mais você faz tanto tempo
Que vontade que eu sinto
De olhar em seus olhos, ganhar seus abraços
É verdade, eu não minto

E nesse desespero em que me vejo
Já cheguei a tal ponto
De me trocar diversas vezes por você
Só pra ver se te encontro

Você bem que podia perdoar
E só mais uma vez me aceitar
Prometo agora vou fazer por onde nunca mais perdê-la

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
E te querendo eu vou tentando te encontrar
Vou me perdendo
Buscando em outros braços seus abraços
Perdido no vazio de outros passos
Do abismo em que você se retirou
E me atirou e me deixou aqui sozinho

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
e te querendo eu vou tentando me encontrar

E nesse desepero em que me vejo
já cheguei a tal ponto
de me trocar diversas vezes por você
só pra ver se te encontro

Você bem que podia perdoar
E só mais uma vez me aceitar
Prometo agora vou fazer por onde nunca mais perdê-la

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
E te querendo eu vou tentando te encontrar
Vou me perdendo
Buscando em outros braços seus abraços
Perdido no vazio de outros passos
Do abismo em que você se retirou
E me atirou e me deixou aqui sozinho

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
e te querendo eu vou tentando te encontrar
Vou me perdendo
Buscando em outros braços seus abraços
Perdido no vazio de outros passos
Do abismo em que você se retirou
E me atirou e me deixou aqui sozinho

Agora, que faço eu da vida sem você?
Você não me ensinou a te esquecer
Você só me ensinou a te querer
E te querendo eu vou tentando me encontrar

http://www.youtube.com/watch?v=6jpXaZhezIo&eurl=http://www.oyo.com.br/musicas/caetano-veloso/voce-nao-me-ensinou-a-te-esquecer/

Guz na INFORMANDO: Elaine, do GUIA DE FORMATURAS

Guz na INFORMANDO: Marcos, da ESTANDARTE

Guz na INFORMANDO: Klender, do Buffet ADADA

Guz na INFORMANDO: outra Mariana...Ah, Marianas, todas belas...!

Guz na INFORMANDO: Ronaldo, do Niagara e de outros tempos longínquos...

Guz na INFORMANDO : Mariana e a primeira caricatura do Lucas

Guz na INFORMANDO: Mariana e Lucas

Guz na INFORMANDO: Camila, futura psicóloga da PUC

quinta-feira, 27 de março de 2008

Vítor, da Brazil Space

Júnia Garrido, fotógrafa


Júnia, da revista Encontro, e mãe da Amanda, além da fotografia, inclue no seu portfólio um dos sorrisos mais bonitos dos últimos acasos do locutor que vos fala...

terça-feira, 25 de março de 2008

Guz na INFORMANDO


O locutor que vos fala participará da Informando (nona edição), considerada a maior feira de formatura do Brasil, em parceria com a agência BRAZIL SPACE. O evento acontecerá nos dias 28 , 29 e 30 de Março de 2008 no Serraria Souza Pinto em Belo Horizonte .O objetivo da feira é gerar interação entre alunos e empresas do setor, proporcionando ótimas oportunidades de negócios.E, é claro, caricaturas, entre elas, né, não?

quarta-feira, 19 de março de 2008

sexta-feira, 14 de março de 2008

Guz no primeiro Salão Imobiliário de BH, na Serraria Souza Pinto, de 13 a 16 de março


Aberto ontem, o locutor que vos fala está lá, desenhando todos os dias. Sábado e domingo, de 10h às 22 h , numa tentativa de bater os próprios Records of Guinness de caricaturas

quinta-feira, 13 de março de 2008

E-nudes: no Café e Livraria Status, na Savassi, em Belo Horizonte

E-nudes II


Apenas para facilitar a leitura do instigante convite:na vida, as coisas devem ser observadas sempre pelo melhor ângulo, né, não?

Os e-nudes do Guz estão na Status, na Savassi, em Belo Horizonte


jpszta

Carla, da Fatuello


Destino bom é assim: depois de desenhar dois anos na Band, você é presenteado com o atendimento da Carla na loja Fatuello da avenida Uruguai.Para quem não entendeu nada, só dando um pulo até lá...

terça-feira, 11 de março de 2008

Vincent (Starry, Starry Night): a noite estrelada de Vang Gogh, por Don Mclean




Vincent (Starry, Starry Night)
Don Mclean


Starry, starry night
Paint your palette blue and grey
Look out on a summer's day
With eyes that know the darkness in my soul
Shadows on the hills
Sketch the trees and daffodils
Catch the breeze and the winter chills
In colours on the snowy linen land
Now I understand
What you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free
They would not listen
They did not know how
Perhaps they'll listen now
Starry, starry night
Flaming flowers that brightly blaze
Swirling clouds and violet haze
Reflect in Vincent's eyes of china blue
Colours changing hue
Morning fields of amber grain
Weathered faces lined in pain
Are soothed beneath the artists' loving hand
Now I understand
What you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free
They would not listen
They did not know how
Perhaps they'll listen now
For they could not love you
But still your love was true
And when no hope was left inside
On that starry, starry night
You took your life as lovers often do
But I could have told you Vincent
This world was never meant for one as beautiful as you
*Starry starry night
Portraits hung in empty halls,
Frameless heads on nameless walls,
With eyes that watch the world and can't forget.*
Like the strangers that you've met
The ragged men in ragged clothes
The silver thorn of bloody rose
Lie crushed and broken on the virgin snow
Now I think I know
What you tried to say to me
And how you suffered for your sanity
And how you tried to set them free
They would not listen
They're not listening still
Perhaps they never will...

Estrelada, noite estrelada
Pinte sua paleta azul e verde
Olhe ao redor em um dia de sol
Com olhos que conhecem a escuridão na minha alma
Sombras nas colinas
Desenhe árvores e narcisos
Pegue a briza e a friagem do inverno
Em cores da terra enevoada

Agora eu entendo
O que você tentou me dizer
E o quanto você sofreu por causa da sua sanidade
E como você tentou libertá-los
Eles não ouviriam
Não saberiam como
Talvez escutarão agora

Estrelada, noite estrelada
Flores flamejantes que resplandece brilhantemente
Nuvens rodopiando e nevoeiro violento
Refletem nos olhos de Vincent, olhos azuis de porcelana
Cores mudam a coloração
Campos matinais de grãos ambarino
Suportando rostos alinhados em dor
São acalmadas pelas mãos amorosas dos artistas

Agora eu entendo
O que você tentou me dizer
E o quanto você sofreu por causa da sua sanidade
E como você tentou libertá-los
Eles não ouviriam
Não saberiam como
Talvez escutarão agora

Por eles não poderem amar você
Mas ainda assim seu amor era verdadeiro
E quando nenhuma esperança foi deixada dentro
Daquela estrelada, noite estrelada
Você tomou sua vida como os amantes geralmente fazem
Mas eu poderia ter-lhe dito, Vincent
Esse mundo nunca foi feito para alguém tão bonito como você

Como os estranhos que você conheceu
O homem esfarrapado em roupas esfarrapadas
O espinho prateado da rosa ensanguentada
Estende-se esmagada e quebrada na neve virgem

Agora, acho que sei
O que você tentou me dizer
E o quanto você sofreu por causa da sua sanidade
E como você tentou libertá-los
Eles não ouviriam
Ainda não o estão escutando
Talvez eles nunca ouçam...

domingo, 9 de março de 2008

Como lembrá-las, MULHERES, no seu dia ?Para sempre, de Carlos Drummond de Andrade


Mãe, irmã, filha, sobrinha, sobrinhas-netas,
namoradas, desejos, paixões,
amigas queridas,
minhas incursões ao feminimo
me fizeram irmão dos poetas,
numa contabilidade mágica.
Acresço-as agora com a Tia Maria, que,
como um anjo, pousou há pouco tempo
nos meus dias para torná-los amenos.
A mim, e a minha mãe,
onde sempre recomeço.
Para todas vocês, minha homenagem. Para sempre...de Drummond...

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.